Wechat

WeChat, gigante da mídia social da China baniu canais de pagamento de Bitcoins e criptomoedas em um documento de política de serviço recém-atualizado. A notícia virá como um golpe para os comerciantes e corretores de criptomoeda de balcão (OTC) que confiaram no serviço para seus negócios.

A proibição do WeChat é o mais recente esforço de Pequim para proibir o comércio de criptomoedas em sua totalidade dentro do país. Enquanto isso, o mercado de criptomoedas está atualmente desfrutando de um dia de crescimento positivo de preços, com a maioria das 100 moedas principais apresentando ganhos de 24 horas.

Wechat

WeChat Bans Bitcoin

Em uma atualização de política publicada na terça-feira (7 de maio de 2019), o gigante da mídia social chinesa anunciou a proibição de canais de pagamento de criptomoeda. Os comerciantes não podem mais publicar qualquer emissão de tokens ou mesmo atividades de negociação de Bitcoins e criptomoedas.

Urgh, Wechat acabou de atualizar sua política de pagamento. O comerciante não pode atender a nenhuma emissão de token / captação de recursos ou atividades de negociação de criptografia, caso contrário a conta será encerrada

Dado que a maioria das transações OTC estão acontecendo no mercado, isso pode impactar a liquidez local em certa medida pic.twitter.com/TdNIO6cggS

– Dovey 以德服人 Wan &# 128477; &# 129430; (@DoveyWan) 7 de maio de 2019

Os usuários do WeChat que não cumprirem a diretiva terão suas contas encerradas. De acordo com o anúncio, a alteração da política entra em vigor no final de maio de 2019.

Este desenvolvimento não é a primeira ação anti-Bitcoin realizada pela plataforma de mídia social de propriedade da Tencent. Em agosto de 2018, a empresa começou fechamento de capital usuários por fornecerem notícias e atualizações sobre os últimos acontecimentos na indústria de tecnologia de criptomoeda e blockchain.

A campanha de censura viu os relatos do WeChat de plataformas de notícias populares como Caixin, Huobi Zixun e Caijing, para mencionar alguns retirados da plataforma. Em sua defesa, o WeChat disse que algumas das contas violavam as leis de serviços de mensagens instantâneas do país.

Mais problemas de liquidez para criptomoeda na China

Tweeting sobre a notícia, Dovey Wan, fundador da Primitive e uma importante fonte confiável de notícias de criptomoedas da China, lamentou o impacto negativo que a mudança teria sobre a liquidez do Bitcoin OTC no país.

Desde a proibição geral do comércio de criptomoedas pelas autoridades chinesas em 2017, os comerciantes foram forçados a depender de plataformas OTC. Essas plataformas utilizam o WeChat, que tem mais de um bilhão de assinantes, como um canal de comunicação.

Reagindo à notícia, o CEO da Binance, Changpeng Zhao, declarou que os efeitos seriam apenas temporários e que o mercado surgirá com uma alternativa. Comentando mais, Zhao disse que tais restrições geralmente forçam mais pessoas a adotar a criptomoeda.

Honestamente, seria difícil vencer o pagamento do WeChat se eles fossem relativamente abertos. (O UX é bom). Porém, mais e mais restrições são impostas a eles (provavelmente não por escolha própria). Vai #crypto!

– CZ Binance (@cz_binance) 7 de maio de 2019

O chefe da Binance também sugeriu a possibilidade de a decisão do WeChat ter sido coagida. Pequim tem feito esforços consistentes para reprimir todas as formas de atividades relacionadas à criptomoeda e tem um histórico de censurar plataformas de mídia social.

China Não Deixa Pedra Sobre Pedra na Posição Anti-Criptografia

O anúncio do WeChat é uma das muitas ramificações da postura anti-Bitcoin da China. Em setembro de 2017, os reguladores baniram ICOs antes de proibir o comércio de criptomoedas.

As plataformas de câmbio baseadas no continente precisam mudar para jurisdições mais amigáveis ​​à medida que o governo continua sua repressão. Várias plataformas foram inicialmente transferidas para o Japão, fazendo com que o país se tornasse o centro comercial de fato no teatro asiático de criptomoedas.

As autoridades chinesas não pararam de proibir as trocas locais de criptomoedas. Em agosto de 2018, Blockonomi relatou que os reguladores bloquearam o acesso a 120 plataformas de câmbio de criptomoedas estrangeiras.

Em abril de 2019, surgiram relatórios de que as autoridades chinesas estavam tentando proibir a mineração de Bitcoin. Conforme relatado por Blockonomi, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC) incluiu a mineração de criptomoedas em uma lista de atividades que deveriam ser eliminadas do país.

No entanto, na época, vários comentaristas como Dovey Wan sustentaram que a notícia não significou a sentença de morte para a mineração de Bitcoin no país. De acordo com Wan, a recomendação do NDRC não equivale a uma ação governamental imediata sobre o assunto.

Apesar de restringir o Bitcoin e as criptomoedas em geral, o governo chinês expressou consistentemente uma disposição favorável à tecnologia de blockchain. Várias províncias e agências governamentais do país desenvolveram soluções baseadas em blockchain.

Mike Owergreen Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
follow me