Venezuela

A atual crise socioeconômica na Venezuela atingiu proporções históricas, em grande parte devido à recente má gestão e abusos cometidos pelo governo do país liderado pelo presidente Nicolás Maduro.

Agora, o governo Maduro – que está sob pressão econômica e diplomática por causa das sanções internacionais ligadas à crise em curso – pode estar prestes a se voltar para o bitcoin (BTC) e o éter (ETH), os dois ativos mais populares da criptoeconomia, para engordar Está diminuindo reservas estrangeiras.

Venezuela

Se de fato feito, o movimento seria outro desenvolvimento sem precedentes impulsionado pela crise da Venezuela, então que não haja ilusões neste caso. O presidente Maduro, cada vez mais orientado, só levará a ideia adiante se concluir que ela fortalecerá ainda mais seu regime, e pode muito bem fazê-lo – mesmo que o impulso que o pivô traz seja apenas temporário.

O que sabemos agora

A consideração de Maduro vem de um relatório da Bloomberg de 26 de setembro, no qual um punhado de fontes próximas ao assunto disseram que funcionários do banco central da Venezuela estavam estudando como a instituição poderia contar bitcoin e éter para suas reservas estrangeiras.

Essas reservas, que normalmente são dinheiro ou outros ativos, são usadas pelos bancos centrais para equilibrar os pagamentos de uma nação. As atuais reservas estrangeiras da Venezuela estão agora abaixo de US $ 8 bilhões, um nível não visto desde os anos 1980.

A consideração do BTC e da ETH vem na esteira da estatal de petróleo e gás natural Petroleos de Venezuela SA (PDVSA), que pede ao banco central do país que examine a possibilidade de usá-los.

De acordo com as fontes com as quais a Bloomberg falou, a empresa está interessada em pagar seus fornecedores com as criptomoedas depois de ter ficado quase totalmente desligada dos bancos tradicionais e, portanto, dos fluxos de caixa convencionais. Ainda não se sabe como a empresa de energia obteve posse de suas participações de criptomoedas relatadas ou o quão grande essas participações são.

Impulsionado pelo pedido da PDVSA, o banco central do país já começou a testar como o uso de bitcoin e éter em suas reservas internacionais pode funcionar.

Seria história, mas com um preço

Se uma potência global estável como a Alemanha ou o Japão estivesse entre os primeiros a abraçar o bitcoin e o éter em suas reservas estrangeiras, os proponentes da criptomoeda celebrariam por meses.

A realidade de que a Venezuela pode ser a primeira a fazer isso é notável no sentido de que pode prenunciar que mais países – talvez até mesmo aqueles que não são movidos por crises – podem eventualmente usar criptomoedas em suas reservas também. Mas o atual governo venezuelano só o faria em resposta a uma catástrofe doméstica que já causou um enorme sofrimento e muitas vidas.

Pense que era mais provável que nenhuma nação desonesta sob sanções fosse a primeira a adotar a criptografia como reserva. É preciso muito mais para fazer com que as nações confiem no sistema do que para dar um salto a partir do que sabem.

– Maya Zehavi – DePi &# 127829; (@mayazi) 26 de setembro de 2019

Mas a Venezuela está atualmente nas multidões de um regime tirânico, e esse regime pode acabar se voltando para o bitcoin e o éter, principalmente porque esses são os dois projetos de blockchain mais populares no momento. Eles oferecem um novo tipo de infraestrutura pública que é neutra e pode ser usada por qualquer pessoa, uma extensão natural da Internet.

Nesse sentido, esses sistemas são para os fracos e os poderosos, assim como as moedas fiduciárias de todos os tipos são usadas hoje.

Se você pode bloquear um ditador de usar bitcoin, você pode bloquear um refugiado.

Bitcoin é para todos. Sem permissão necessária.

– Matt Odell (@matt_odell) 26 de setembro de 2019

Participações da Venezuela prováveis ​​de corrupção

Aqueles com experiências em primeira mão na Venezuela dirão que as reservas de criptomoedas do governo lá são derivadas de atividades de mineração corruptas, ou seja, por meio de equipamentos apreendidos de cidadãos.

Como a Venezuela chegou a possuir Bitcoin ou Ethereum? O artigo da Bloomberg não disse. Mas você pode perguntar a qualquer venezuelano: os governantes corruptos minaram criptografia com equipamentos apreendidos e roubados, agora se encontram com moedas que não podem trocar. 1/3

– ⚡&# 127462;&# 127479; Eduardo&# 127483;&# 127466; ⚡ (@Codiox) 26 de setembro de 2019

Isso explicaria por que a PDVSA tem BTC e ETH suficientes para ter pedido permissão para começar a usá-los com a graça do governo e dentro de sua competência. Mas não saberemos com certeza até que os analistas possam rastrear os endereços reais da empresa. Eles estão lá agora, simplesmente esperando para serem encontrados.

Mike Owergreen Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
follow me