Bitcoin

Durante grande parte da vida do Bitcoin, isso foi inquestionável. Quando Satoshi Nakamoto lançou sua criação para o mundo, moedas digitais e blockchains eram meros conceitos, tornando o Bitcoin a primeira tentativa real de criar um ativo que não está vinculado aos trilhos de pagamento tradicionais ou a um sistema governamental subjacente.

Mas, muitos tecnólogos e inovadores concluíram que podem fazer melhor do que o que Satoshi fez, criando centenas e milhares de spin-offs, mais conhecidos como altcoins, no processo. E, infelizmente, alguns desses criadores de criptomoedas foram a fóruns públicos para chamar a atenção para as ineficiências do Bitcoin, evitando o projeto que tacitamente gerou sua criação.

Bitcoin

Brendan Blumer combate as ineficiências do Bitcoin

Brendan Blumer, o executivo-chefe da Block.one, com sede em Hong Kong, o grupo de desenvolvimento por trás da blockchain EOS, recentemente subiu ao palco do DC Blockchain Summit na Câmara de Comércio Digital (CODC). Enquanto Blumer estava no palco para um painel sobre as aplicações do blockchain no governo, negócios e outros setores, ele trouxe o Bitcoin.

E o que ele tinha a dizer não era exatamente alegre, nem agradava ao público de criptografia.

O co-criador da EOS admitiu que vê o Bitcoin, a primeira aplicação de criptomoeda e blockchain do mundo, como totalmente transformador, mas que a rede ainda tem deficiências drásticas.

CEO da https://t.co/oxZfkUbjGr @BrendanBlumer espalhando descaracterizações ridículas sobre Bitcoin em um @DigitalChamber evento. pic.twitter.com/h5bB8ybC6X

– Vake (@vakeraj) 6 de abril de 2019

Blumer observa que as transações de Bitcoin, na realidade, custam bem acima da taxa de transação estipulada pelo mercado mineiro sozinho, com o custo real de processamento de uma transferência ponto a ponto podendo chegar a US $ 50 a US $ 100. Em comentários subsequentes no Twitter, Blumer continuou essa narrativa. Tentando racionalizar o comentário de que as transações BTC na verdade custam mais do que a taxa em si, ele chamou a atenção para os subsídios da mineradora, explicando que essa emissão de fornecimento deveria realmente representar o custo dos processos de garantia.

Ele então zombou da taxa de transferência transacional e dos tempos de bloqueio do Bitcoin, explicando que para transferir o BTC para um parceiro ou empresa, pode levar uma hora, mesmo se o limite de “três transações por segundo” ainda não estiver sendo satisfeito. Isso, é claro, é um exagero da parte de Blumer, já que a adoção generalizada de endereços Segwit permite que a rede processe até sete transações por segundo, mas sua insatisfação com as capacidades técnicas do Bitcoin foi deixada clara.

Mas ele não é exatamente baixista em bitcoin

Embora os comentários de Blumer pareçam que ele só vê uma desvantagem para o Bitcoin no futuro, suas refutações no Twitter deixam claro que esse não é exatamente o caso. Em um tweet emitido em meados de março, Blumer orgulhosamente proclamou que acredita na narrativa de que o Bitcoin é a próxima geração de ouro – uma reserva digital de valor com características de commodities.

Na verdade, ele escreve que espera que a criptomoeda substitua o ouro como a principal reserva de valor nas próximas duas décadas, um sentimento mantido pelos gêmeos Winklevoss, Willy Woo, Mike Novogratz, entre outros acionistas da indústria de criptografia.

Nas próximas duas décadas, #Bitcoin Irá substituir #ouro como a mercadoria líder para armazenar valor

– Brendan Blumer (@BrendanBlumer) 17 de março de 2019

Respondendo à crítica que recebeu por seu monólogo no CODC, ele se dobrou sobre a ideia de que o Bitcoin ainda tem uma proposta de valor válida, embora relativamente limitada.

Blumer escreve que adora a primeira criptomoeda do mundo devido ao seu potencial para se tornar o ouro digital, mas que não é inerentemente otimizada para competir no reino de contratos inteligentes, aplicativos descentralizados e outros casos de uso. Em outras palavras, ele está explicando que as transações BTC podem ser lentas e relativamente caras, mas há espaço suficiente para que EOS e Bitcoin existam em um mundo descentralizado e baseado em digital.

E pode ser assim que Satoshi Nakamoto queria. Como Dan Held, o cofundador da Interchange, explicou em um extenso tópico no Twitter, o criador do Bitcoin provavelmente teve muitas chances de alterar as regras cardeais – limite de 21 milhões de suprimentos, blocos de dez minutos, blocos de um megabyte, etc. – de seu ideia, mas decidi contra isso.

Mike Owergreen Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
follow me