O que é um STO?

A ascensão meteórica de ICOs ao longo de 2017 e início de 2018 foi sem precedentes e trouxe um método totalmente novo para levantar enormes somas de financiamento em meros minutos. No entanto, o grande volume de ICOs que acabaram sendo fraudes, não cumpriram suas promessas ou ficaram sem financiamento antes de lançar um produto levou ao declínio repentino do ICO na segunda metade de 2018.

O poder dos tokens baseados em blockchain para criar ativos e instrumentos financeiros mais flexíveis não se dissipou. O financiamento descentralizado (DeFi) está em ascensão, com instrumentos financeiros de plataformas de dívida colateralizadas a mercados de previsão descentralizados materializando-se à esquerda e à direita.

Um dos principais focos de um cenário DeFi é a transição de títulos financeiros convencionais em tokens digitais em um blockchain.

Comumente chamados de “tokens de segurança”, esses ativos são títulos que representam patrimônio líquido ou dívida com um invólucro digital em torno deles – projetados para fornecer um conjunto de vantagens e flexibilidade aos ativos.

O que é um STO?

Seguindo os passos da ICO, a ‘Oferta de Token de Segurança’ (STO) atraiu atenção generalizada como um ecossistema de investidores, provedores de serviços, bolsas e mais disputas por posição em um mercado florescente. Os tokens de segurança têm algumas perspectivas intrigantes e o STO apresenta uma ferramenta valiosa para as empresas emitirem ativos digitais no blockchain.

O que é uma segurança?

Um título financeiro tradicional é um instrumento fungível que possui valor e pode representar dívida ou patrimônio.

Títulos como patrimônio podem representar a propriedade de uma empresa (ações), onde os proprietários podem lucrar com os ganhos de capital sobre o ativo ou mesmo receber o pagamento de dividendos em casos específicos. Os detentores de títulos patrimoniais podem estar em empresas públicas ou privadas, e os proprietários geralmente têm direito a alguma forma de propriedade na empresa.

Os títulos que representam dívida são uma representação de dinheiro emprestado, que deve ser reembolsado e está sujeito a várias condições de empréstimo. Existem vários tipos de títulos de dívida, incluindo:

  • Títulos do governo
  • Obrigações de dívida garantida (CDOs)
  • Obrigações hipotecárias colateralizadas (CMOs)
  • Títulos corporativos
  • Certificado de Depósitos

Os detentores de títulos de dívida são normalmente autorizados a receber pagamentos de juros sobre o valor do empréstimo principal e podem ser garantidos por diversos meios – incluindo garantidos e não garantidos.

Os títulos desempenham um papel significativo nas finanças e são mais relevantes para os OSTs na sua capacidade de serem alavancados para obter financiamento. As empresas podem levantar enormes somas por meio de Ofertas Públicas Iniciais (IPOs) de ações quando forem a público, e os governos podem até emitir títulos municipais para levantar fundos.

Os títulos públicos são negociados nas principais bolsas de valores e podem ser transferidos entre investidores em mercados secundários como ativos.

Tokens de segurança e ofertas de token de segurança (STOs)

Os equívocos comuns sobre tokens de segurança são que eles são diferentes dos títulos. Embora existam em um blockchain, eles são ostensivamente títulos, sujeitos aos mesmos regulamentos e precedência de jurisprudência que títulos tradicionais.

No entanto, os tokens de segurança oferecem alguns vantagens únicas – particularmente na melhoria da liquidez do mercado secundário, redução dos custos de conformidade, automatização de restrições comerciais, fornecimento de propriedade fracionada e habilitação da interoperabilidade de ativos.

As OSTs abriram uma oportunidade para as empresas levantarem fundos através da emissão de tokens de segurança digital para investidores de maneira compatível com as regulamentações. As vantagens existem tanto para o investidor quanto para o emissor, ao mesmo tempo em que fornecem garantias muito melhores contra fraude em comparação com um ICO. Os emissores podem vir de uma variedade de áreas, incluindo imóveis comerciais, empresas de capital de risco e pequenas e médias empresas (PMEs).

discussão em torno da semântica do que constitui um “token de segurança” ou uma “segurança tokenizada”, mas para todos os efeitos, os STOs neste contexto se concentram no lançamento de novos tokens de segurança e não na tokenização de ativos financeiros existentes.

Uma das aplicações mais simples e benéficas de um OST é com uma PME que busca levantar fundos quando não consegue acessar os serviços bancários comerciais. Paralelamente ao surgimento de outros serviços DeFi, as PMEs podem acessar serviços financeiros abertos – emitindo tokens de segurança para os investidores obterem no blockchain. Isso tem consequências importantes para reduzir as barreiras ao acesso para investidores de varejo e, ao mesmo tempo, fornecer serviços financeiros poderosos para as PMEs em áreas locais e regionais, onde historicamente têm suas capacidades financeiras limitadas.

Além disso, as PMEs que emitem tokens de segurança oferecem um excelente exemplo para destacar os vários participantes necessários no ecossistema de tokens de segurança.

Leia: Tokenização de ativos financeiros

Participantes do ecossistema do token de segurança

Se uma PME (ou seja, a Empresa A) deseja emitir tokens de segurança que representam o patrimônio de sua empresa, ela pode fazê-lo com a ajuda de vários participantes do mercado, incluindo:

  • Plataformas de emissão
  • Intercâmbios
  • Custódios
  • Corretoras
  • Conformidade legal

A Empresa A pode emitir formalmente seu token de segurança para investidores por meio de uma plataforma de emissão. Plataformas de emissão bem conhecidas incluem Polymath e Porto, que são integrados com prestadores de serviços como custodiantes, corretores e entidades legais / de conformidade para facilitar um processo seguro e em conformidade com as regulamentações.

Os desenvolvedores para plataformas de emissão também trabalham em interfaces de token padronizadas (ou seja, ST-20 para Polymath e R-Token para Harbor) que codificam parâmetros regulatórios em contratos de token, como restrições de negociação explícitas. As interfaces de token padronizadas para tokens de segurança também permitem a interoperabilidade de ativos, o que tem efeitos positivos a jusante na liquidez do mercado secundário e redução do atrito na negociação de tokens.

Guia Polymath

Leia: Nosso Guia para Polymath

Os custodiantes são populares para armazenar tokens digitais em armazenamento seguro a frio – especialmente com instituições. BitGo é um dos custodiantes de ativos digitais mais estabelecidos, e os custodiantes costumam fazer parcerias com plataformas de troca ou emissão.

Existem trocas para que os investidores negociem tokens de títulos, permitindo melhor acesso ao capital, maior liquidez secundária e democratizado o acesso dos investidores aos títulos. tZero é uma bolsa de alto nível que entrou no ar recentemente, apoiada pela Overstock. Os tokens de segurança da Empresa A podem ser negociados em bolsas como a tZero, onde os investidores são submetidos à verificação KYC / AML. Algumas bolsas também podem operar como plataformas de emissão.

Como uma PME, os tokens de segurança da Empresa A podem ser oferecidos a investidores de varejo que estão em grande parte impedidos de oportunidades de investimento de PME devido a várias barreiras de entrada. No entanto, democratizar esse acesso a tokens de segurança pode ajudar as PMEs a arrecadar fundos de comunidades locais, proporcionando um benefício atraente para as pequenas empresas e ajudando no crescimento dos negócios locais.

Estruturas financeiras abertas como Mt. Pelerin até mesmo procuram fornecer mercados de PMEs para entidades como a Empresa A para explorar serviços financeiros amplos e abertos no blockchain.

Outras aplicações de tokens de segurança – que já estão em andamento hoje – incluem fundos de investimentos imobiliários comerciais (ou seja,., REITs) que reduzem os altos mínimos de investimento e até permitem que conceitos como propriedade fracionada surjam. Porto tem já hospedado um STO para um edifício residencial na Carolina do Sul com um mínimo de investimento significativamente reduzido em comparação com as taxas normais.

STOs vs ICOs

No geral, os STOs eliminam os casos de fraude com ICOs e oferecem títulos legítimos a uma gama mais ampla de investidores com melhor eficiência, interoperabilidade e liquidez do que os títulos convencionais. As OSTs são apoiadas por ativos reais, enquanto as ICOs se baseavam principalmente em “tokens de utilidade”, sem garantia subjacente e não eram protegidas pela lei de valores mobiliários.

Os STOs também oferecem vantagens em relação aos IPOs. Eles são mais baratos e podem abranger uma gama muito mais ampla de ativos – como propriedade fracionada em obras de arte de alto valor ou fundos de investimento. As taxas bancárias e de corretagem também são drasticamente reduzidas por meio da automação com o lançamento de um STO em comparação com um IPO.

É importante observar que, embora as OSTs se enquadrem nas leis de valores mobiliários dos Estados Unidos, existem nuances jurídicas no lançamento de tokens de segurança, pois são baseados em uma nova tecnologia. Vários países fora dos EUA também já proibiram OSTs – incluindo China e Coreia do Sul.

Nos EUA, os investidores estão injetando grandes somas de dinheiro no cenário de tokens de segurança conforme o papel dos participantes no jovem ecossistema continua a se concretizar. A avaliação de quais mercados emergem como os mais populares nos estágios iniciais de tokens de segurança deve revelar quais setores de OSTs oferecem as melhores vantagens. Tanto as PMEs quanto os REITs são aplicações claras de OSTs, mas existem inúmeras outras oportunidades disponíveis para a emissão de tokens de segurança que são práticos, mais baratos e em conformidade com as regulamentações.

Conclusão

ICOs eram um conceito novo, alimentando especulações loucas de altcoins durante sua proeminência no final de 2017, mas a indústria se tornou mais exigente desde então. Como os ICOs vacilaram, os tokens de segurança surgiram como um caso de uso prudente da tecnologia blockchain na convergência de instrumentos financeiros convencionais e ativos digitais.

O DeFi está em alta, e os tokens de segurança devem desempenhar um papel fundamental na transição mais ampla para um sistema financeiro aberto.

Mike Owergreen Administrator
Sorry! The Author has not filled his profile.
follow me